Tudo o que você precisa saber sobre as principais regiões vinícolas de Mendoza, Argentina

Bem-vindo ao novo blog do Driver em Mendoza! Neste espaço compartilharemos resenhas, histórias, sites de interesse e informações em geral que podem ajudar a todos aqueles que futuramente desejam visitar nossa cidade.

Nesta primeira edição, viajamos juntos pelas três principais regiões vinícolas de Mendoza: suas diferenças, semelhanças, paisagens, suas vinícolas e rótulos mais conhecidos. As regiões das quais falaremos neste artigo são: Maipú, Luján de Cuyo e Valle de Uco.

1. Maipú: tudo o que você precisa saber sobre a primeira região vitivinícola

Em primeiro lugar, saiba que Maipú é um departamento da província de Mendoza que foi criado em 1858, fato que não é menor quando se fala na longa história da vinificação na Argentina. Antes mesmo de sua criação formal como município, a área é pioneira na região na produção de vinhos argentinos. Nos nossos roteiros de vinhos por esta região, gostamos de destacar a forma como irá encontrar um grande mix de adegas: das mais antigas e históricas às mais modernas e inovadoras. A região conta com 154 vinícolas e 35 olivais, muitos deles abertos ao turismo nacional e internacional. As vinícolas mais visitadas pelos passageiros do Driver em Mendoza são: Familia Zuccardi, Rutini, El Enemigo (Casa Vigil), Trapiche e Trivento, entre outras.

A região gozava de uma reputação impecável ao se converter no pólo industrial mais rico da viticultura argentina, ainda hoje Maipú ocupa o primeiro lugar no mapa olivícola da província por uma significativa produção e qualidade da azeitona, que tem marcado a produção de dezenas de produtos derivados da oliveira, como óleos, azeitonas e até produtos cosméticos. A geografia desta cidade se caracteriza por ser uma planície dentro do território Mendoza, que junto com os rios que cruzam a região permitiram um ótimo desenvolvimento da agricultura, principalmente para a vinha, oliveiras e outras frutas e legumes.

2. Luján de Cuyo: um clássico imperdível do Malbec, de Agrelo a Las Compuertas

Localizado às margens do rio Mendoza, está o departamento de Luján de Cuyo, terra do mundialmente famoso Malbec. Uma região conhecida por suas famosas vinícolas e incríveis paisagens que se encontram com os vinhedos e a Cordilheira dos Andes. Este departamento da província de Mendoza está localizado a apenas 19 km ao sul da capital e conseguiu se posicionar como um dos destinos mais escolhidos pelos turistas que visitam Mendoza. Luján de Cuyo parece reunir o melhor de Mendoza: montanhas, rios, vinhedos e vinícolas, represas e ainda tem um dos centros gastronômicos mais importantes de Mendoza: a pitoresca cidade de Chacras de Coria é um pequeno centro urbano sempre na vanguarda das últimas tendências gastronômicas, ‘Chacras’ como nós de Mendoza nos convertemos em um dos destinos imperdíveis de quem nos visita. Um jantar nesta cidade seguido de um passeio pela sua praça principal é obrigatório.

Por outro lado, vale destacar a famosa região de Agrelo no mundo do vinho, conhecida por sua produção de Malbec de alta qualidade, tem sua própria denominação de origem controlada desde 1989, tornando-se a primeira região de Mendoza a receber este muito importante distinção. Agrelo é o lar de algumas das vinícolas mais importantes de Mendoza, como Catena Zapata, Viña Cobos, Chandon, Dominio del Plata, Ruca Malen e Pulenta Estate, entre outras. No entanto, apesar de ser esta a região mais conhecida de Luján, não podemos esquecer que neste departamento também existem outras vinícolas de renome como Lagarde, Luigi Bosca, Norton e Nieto Senetiner, entre uma dezena de outras grandes, médias e pequenas.

3. Vale do Uco: vinhos de alta altitude inspirados na Cordilheira dos Andes

O mundialmente famoso Vale do Uco está localizado a 90 km da cidade de Mendoza e se estende por três departamentos da província: Tupungato, Tunuyán e San Carlos. A mais nova e inovadora região vinícola de Mendoza, especializada em vinhos de alta altitude, está localizada a 1.200 metros de altitude. Valle de Uco é uma região que faz fronteira com a cordilheira dos Andes e, portanto, é caracterizada por altitudes que variam entre 900 e 1700 metros. É a combinação ideal de condições climáticas e geográficas: altitude elevada, 250 dias de sol por ano, pouca chuva e variação de temperatura, entre outras, que tornam os vinhos Valle de Uco únicos no mundo.

Dentro do Vale do Uco, é claro que existem microrregiões como Gualtallary ou Paraje Altamira, microrregiões que se destacam por apresentarem pequenas diferenças em relação ao terroir de outras áreas do Vale do Uco. Diferenças que no resultado final de cada rótulo parecem não ser tão pequenas e é por isso que cada uma dessas regiões vem lutando há alguns anos para obter sua própria denominação de origem controlada. Entre as vinícolas mais visitadas do Vale do Uco estão Salentein, Andeluna, Monteviejo, La Azul, Piedra Infinita de Zuccardi, Clos de los Siete e Piedra Negra.

Esta área, sede do enoturismo de luxo em Mendoza, não só possui grandes vinícolas de peso internacional, mas também na área existem cada vez mais empreendimentos hoteleiros de luxo especializados em proporcionar uma experiência vinícola em Mendoza, um exemplo desses resorts são complexos como como The Vines, Casa de Uco, Casa Petrini, Posada Salentein, Lodge Atamisque e Alpasion Lodge, entre muitos mais.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.